Sonhos de Imigrar ou Usurpar?

Sonhos de Imigrar ou Usurpar?

É impossível argumentar com alguém desprovido de bom senso e lógica. O abaixo é um atentado ao raciocínio dos sensatos sobre algumas ideias absurdas sendo disseminadas.

“Consquistar meu sonho de imigrar para outra nação é uma prioridade acima das leis de imigração”

Quebrar as leis de imigração de uma outra nação, seja para imigrar ou ajudar outros a imigrar, nunca é uma boa ideia, pois pode trazer consequências danosas, incluindo encarceramento, como tem sido visto. Não me parece lógico um sonho ter incluído a possibilidade de cadeia, do contrário, é na verdade um pesadelo. Nenhum país é culpado dos problemas pessoais vividos pelos povos de outras nações, nem tampouco obrigado a solucionar os problemas pessoais de estrangeiros insatisfeitos com a economia e segurança de seu país. Se a periculosidade de sobrevivência de alguém é assim tão extrema, então o que esta pessoa tem que fazer é pedir exílio perante uma embaixada, baseado em sua impossibilidade de sobrevivência. Entretanto, o que está por traz na maioria dos casos é pura cobiça.

Países que conquistaram uma vida melhor para seus habitantes o fez através dos esforços desses habitantes e se forçar ilegalmente dentro de tal sociedade é a definição precisa de usurpação. Se alguém deseja imigrar para um local onde a economia e a segurança é melhor do que a sua própria, mas deseja fazer isso através de violações das exatas leis que proporcionam tal economia e segurança, cujos benefícios este alguém almeja receber, esta pessoa é um usurpador, que são aqueles que intencionam receber benefícios, mesmo ao custo de quebrar leis, que não lhes pertence por direito. Perceba que isso só se aplica a quem viola as leis de outro país a fim de imigrar. Existem formas legais de fazer isto, sem se tornar um usurpador.

“Estou fazendo um trabalho/ganho honesto e, portanto, mesmo sem permissão para trabalhar/ganhar, não devo ser visto como um criminoso.”

Qualquer pessoa que viola leis é vista como um violador de leis. Se a lei sendo violada é criminal — e a justiça que decretou a lei determina isso na sua descrição e provisão —, então sim, o violador é um criminoso. Se a lei é civil, então quem a quebra não é um criminoso mas sim um violador daquela lei civil sendo quebrada. O tipo de lei sendo quebrada determina a qualificação de quem a quebra, e não a opinião de quem a quebra. Basta ler sobre a lei sendo violada e lá estará descrito se é um “felony” (crime de graus diferentes) ou um “misdemeanor” (delito de graus diferentes). O que diferencia um crime de um delito civil é o resultado obtido deste ato feito. Tudo que causa dano (físico, financeiro ou de propriedade) é um crime, dentro do código de leis americanas. Se não houve dano (isto é, perda física, financeira ou de propriedade), então é uma infração civil.

PSICOLOGIA REVERSA

“Não quero que ninguém me pergunte se sou ou me acuse de ilegal, então vou inventar uma lei, da minha cabeça, sem nada para substanciar, a fim de evitar tal pergunta; ou, melhor ainda, para colocar medo no perguntador e todos que me ouvirem.”

A pessoa que pensa assim decidi criar um vídeo e disseminar tal (des)informação sem fornecer nenhuma base, nenhum link onde está escrito isto na lei mencionada (?); ou melhor, inventada e gritada na internet através de vídeos pessoais caprichosos. Em defesa da verdade, examine o abaixo e tire suas próprias conclusões. Mas antes, perceba que a lei se aplica somente a empregadores! Alô?

Veja na imagem acima, e na sua própria página, que o próprio sistema do governo americano de Verificação de Elegibilidade de Emprego informa sobre o Ato de Lei de 1986 (IRCA), explicando que …

… “Exigir que candidatos forneçam prova de sua autorização de trabalho antes de estabelecer uma relação de trabalho é conhecido como “pré-seleção” e [isso] pode constituir uma violação da provisão de antidiscriminação da Lei de Imigração e Nacionalidade.

TEXTO ORIGINAL: Requiring applicants to provide proof of their employment authorization before establishing an employment relationship is known as “pre-screening” and it may constitute a violation of the anti-discrimination provision of the Immigration and Nationality Act.

Isto é, um empregador só pode perguntar sobre a posição (status) migratório de um candidato APÓS um relacionamento de trabalho ter sido estabelecido com o candidato. Relacionamento de trabalho é estabelecido quando uma oferta formal de emprego é feita e aceita. Neste ponto então, o empregador tem total direito de fazer tal pergunta e tê-la não somente respondida mas provada pelo candidato. Em nenhuma parte deste Ato de Lei de 1986 ou nenhum outro Ato ou Lei diz que NUNCA, em nenhuma circunstância, se pode perguntar sobre o status migratório de alguém! Note também que este Ato de Lei se aplica somente a um empregador e a ninguém mais! O Ato foi criado, dentre outros propósitos, para proteger empregadores de serem acusados de descriminação enquanto verificam a elegibilidade de um candidato a emprego nos EUA.

Perceba também que o Ato de 1986 (IRCA), descrito abaixo e aqui, diz clara e abertamente que o propósito deste ato é de CONTROLAR E DETER IMIGRAÇÃO ILEGAL NOS ESTADOS UNIDOS. Em nenhuma parte deste ato está escrito que os ilegais, infratores das leis de imigração nos EUA, são o alvo a ser protegido por este Ato de Lei e tampouco que perguntar a estrangeiros nos EUA sobre sua posição imigratória constitui algum crime; mesmo porque, como já explicado, para existir um crime um dano tem que ter ocorrido.

Public Law 99-603 (Act of 11/6/86), which was passed in order to control and deter illegal immigration to the United States. Its major provisions stipulate legalization of undocumented aliens who had been continuously unlawfully present since 1982, legalization of certain agricultural workers, sanctions for employers who knowingly hire undocumented workers, and increased enforcement at U.S. borders.

TRADUÇÃO: Lei Pública 99-603 (Ato de Lei de 11/6/86), que foi aprovada para controlar e impedir a imigração ilegal para os Estados Unidos. Suas principais provisões estipulam a legalização de estrangeiros não documentados que estavam continuamente presentes ilegalmente desde 1982, a legalização de certos trabalhadores agrícolas, sanções para empregadores que conscientemente contratavam trabalhadores indocumentados e aumentavam a fiscalização nas fronteiras dos EUA.

Note que este Ato de Lei foi feito para facilitar o controle de imigração ilegal e não para proteger imigrantes de serem perguntados sobre sua posição migratória nos EUA. Em nenhuma parte deste Ato isto está sequer escrito. Ao contrário dessa ideia absurda, o Ato de Lei na verdade facilita empregadores nos EUA a perguntar sobre posição imigratória sem correr o risco de serem acusados de discriminação. A pergunta é encorajada a ser feita mas somente após um relacionamento trabalhista ter sido estabelecido entre o imigrante e o empregador, quando, neste ponto então, pode e deve sim, OBRIGATORIAMENTE, perguntar sobre seu status no país quanto sua autorização a trabalhar remuneradamente. Os alvos deste Ato de Lei são os imigrantes ilegais e empregadores. Uma pessoa leiga, comum, sem nenhum propósito aparente que pergunta sobre a posição migratória de um imigrante nos EUA não está cometendo nenhum crime, mas sim um ato indiscreto e indesejado no máximo.

A Ignorância da Imigração Ilegal

Olha aí a vergonha brasileira para milhões assistirem. Uma mulher vivendo ilegalmente nos Estados Unidos por mais de 20 anos ainda se acha no direito de confrontar um cidadão americano exercitando o direito dele de liberdade de expressão. É difícil decidir qual dessas ideias foi a pior: Confrontar um americano exercitando sua liberdade de expressão no seu próprio país, ou permanecer no país dele ilegalmente por mais de 20 anos e, numa última tacada, tentar roubar dele os seus direitos? Será que ela realmente achou que isso poderia dar certo? Imagine se ele tivesse perguntado à ela seu status migratório. Possivelmente teria sido linchado ou no mínimo agredido fisicamente. Entretanto, somente usar um boné foi o suficiente para motivar esta visitante ilegal a confrontá-lo. Este é o nível da ignorância demonstrada pelos idealistas e defensores da imigração ilegal, mais propriamente definida como usurpação.

O vídeo acima pode ser visto aqui.

2 Respostas para “Sonhos de Imigrar ou Usurpar?

  1. Pingback: Previsões no Caso Danilo Ramscheid | Vaani Bhadra·

  2. Pingback: Lei, Ética, Costumes e A Diferença nos EUA | Vaani Bhadra·

Post a Comment

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.